Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

25/07/2012
18 dúvidas sobre o anel contraceptivo!

Conversamos com o presidente da Comissão de Anticoncepção da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações em Ginecologia e Obstetrícia) Rogério Bonassi Machado, acerca das principais questões das mulheres sobre o método

É fácil de usar? Quais vantagens oferece? E na hora do sexo? O anel vaginal anticoncepcional é um método relativamente novo na comparação com as pílulas, que existem há 50 anos. Embora seja uma alternativa com importantes benefícios e que ampliou as possibilidades de escolha da mulher, ainda há muita dúvida sobre esse contraceptivo. O presidente da Comissão de Anticoncepção da Federação Brasileira das Associações em Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), Rogério Bonassi Machado, esclarece algumas questões e destaca: “o anel é seguro e conveniente (fácil de usar), evita esquecimentos e oferece excelente controle de ciclo com pouca exposição hormonal, o que significa menos efeitos colaterais.

1. O que é o anel vaginal contraceptivo?
É um anel flexível, transparente e praticamente incolor que contém dois hormônios sexuais femininos (estrogênio e progestagênio), liberados lentamente dentro da vagina para impedir a gravidez.

2. Como deve ser usado? É eficaz?
Deve ser inserido na vagina pela própria mulher uma vez ao mês, conforme orientação médica, e tem duração de três semanas, com uma de intervalo, quando a menstruação ocorre. É um método confiável, seguro (99,7% de eficácia contra gravidez) e conveniente, sem a necessidade de ingerir a pílula diariamente, o que é uma vantagem importante, pois evita esquecimentos. De forma resumida e bastante simplificada: o anel equivale a uma cartela de pílula anticoncepcional, utilizada uma vez ao mês, por via vaginal.

3. Quem pode usar?
Com exceção do grupo que tem contraindicação ao uso de métodos hormonais combinados, todas as mulheres podem utilizar o anel sem nenhum problema, não havendo um perfil específico de quem seria a melhor candidata a utilizá-lo. O método representa uma alternativa adicional de administração (vaginal) e de posologia (mensal), ampliando as possibilidades de escolha da mulher.

4. Quais são os benefícios da administração vaginal?
Há quase cem anos, os fármacos são administrados pela vagina. O órgão genital feminino é uma excelente via de absorção. Permite a recepção de níveis constantes de hormônios e a utilização de doses realmente pequenas, quando comparadas às habituais. E ainda é uma alternativa para diminuir a metabolização pelo fígado, pois, quando se utiliza o anel vaginal contraceptivo, o hormônio sintético entra no sistema venoso e é absorvido como o natural, que é produzido pelo ovário. Sua assimilação também não interfere nas condições gastrointestinais, evitando possibilidades de diarreia e/ou vômito em organismos mais sensíveis.

5. Como ocorre a absorção de hormônios no caso do anel vaginal contraceptivo?
A paciente que toma a pílula, depois de meia hora, começa a absorvê-la: os hormônios se elevam no sangue e depois de três a seis horas o pico hormonal cai. Já o anel vaginal libera pequenas quantidades de hormônios de maneira constante, sendo absorvidas continuamente. Essa forma de administração que permite o método apresentar baixa quantidade de hormônio com controle de ciclo superior às pílulas anticoncepcionais com o dobro da dose.

6. Qual a principal vantagem do anel mensal?
O anel é eficaz e apresenta um perfil de segurança adequado, com poucos efeitos colaterais. Possui ótimo controle de ciclo e ocasiona a menor exposição hormonal em comparação a outros métodos com estrogênios.

7. Qual a importância da redução das doses de estrogênio?
Diminuir a dose de estrogênio significa reduzir os efeitos colaterais associados ao hormônio: náuseas, dores de cabeça, dores nas mamas e tonturas. O anel contraceptivo libera 15 mcg/dia de estrogênio (etinilestradiol). No caso das pílulas, a dosagem pode variar de 15 mcg a 50 mcg de estrogênio/dia, ou seja, o anel apresenta a menor dose disponível, ao lado das pílulas de 15 mcg/dia de estrogênio. Essa menor exposição estrogênica significa menos chance de eventos adversos, sintomas que podem motivar as mulheres a abandonarem o uso do método, provocando uma gravidez não planejada, caso nenhuma outra opção anticoncepcional seja adotada.

8. O anel vaginal mensal é fácil de aplicar?
A maioria das mulheres acha fácil tanto colocá-lo como retirá-lo. O anel não é um diafragma: enquanto estiver dentro da vagina, estará bem colocado. Não há como errar: antes de inserir ou retirar o anel, deve-se lavar bem as mãos. Para colocação, é necessário escolher uma posição confortável, como por exemplo, em pé com uma das pernas levantada, agachada ou deitada. Para colocá-lo, basta segurar o anel entre o polegar e o dedo médio e pressionar até que os dois lados fiquem juntos. Quando o anel estiver no lugar, não será sentido, mas se houver desconforto, é só empurrá-lo delicadamente para dentro da vagina (Figuras 1 a 3). A posição exata dentro da vagina não é importante para sua ação contraceptiva.



Figura 1: pressione o anel.



Figuras 2: escolha uma posição confortável para inserir o anel



Figuras 3: coloque o anel na vagina com uma das mãos. Se necessário, o lábio pode ser afastado com a outra mão. Empurre o anel para dentro da vagina até senti-lo confortável. Deixe o anel no lugar durante três semanas.

9. E a remoção, é simples?

Sim. A remoção, após três semanas de uso, poderá ser feita enganchando o dedo indicador sob o anel ou segurando o anel entre os dedos indicador e médio e puxando-o para fora (Figura 4).



Figura 4: O anel pode ser retirado, enganchando o dedo indicador sob o anel ou segurando o anel entre os dedos indicador e médio e puxando-o para fora.

10. O parceiro vai sentir o anel vaginal contraceptivo?
Há muitos homens que não o sentem. Estudos apontaram que 80% não chegaram a notar qualquer diferença durante o ato sexual. Para os que perceberam a sua presença, a maioria disse que a sensação é neutra, ou seja, notaram algo, mas não souberam o que era e outros disseram ter sentido algo mais prazeroso do que sem o anel, uma sensação semelhante à de uma pequena rugosidade na vagina. O anel pode até melhorar o jogo amoroso, porque aumenta a rugosidade da vagina e, como o ato sexual é de atrito, isso pode torná-lo mais agradável.

11. Pode sair durante a relação sexual?
Sim, às vezes pode sair, mas basta colocá-lo novamente, após lavá-lo em água fia ou morna, nunca quente. Isso não ocasiona problema algum desde que a mulher tome o cuidado de não ficar sem o anel por mais de três horas.

12. E no dia a dia, há casos de expulsão do anel?
A vagina não é um tubo vertical. Ela cruza dois diafragmas musculares e, por isso, expelir ou expulsar o anel é muito difícil. As expulsões podem ocorrer em raros casos. O anel pode ser expelido acidentalmente da vagina, por exemplo, se não tiver sido adequadamente colocado, durante a relação sexual, por intestino preso ou em casos de prolapso do útero (deslocamento em direção à vagina). Portanto, um bom hábito é verificar regularmente se o anel está na vagina. Se o anel ficar fora da vagina por menos de três horas, ele ainda protege contra gravidez. Caso o anel seja expelido, basta lavá-lo com água fria ou morna, nunca quente, e colocá-lo novamente.

13. O anel contraceptivo vaginal pode causar infecção?
Não. Na verdade, o estrogênio presente no anel, ao ser liberado, aumenta em 2,6 vezes a quantidade de lactobacilos que povoam a vagina e esses micro-organismos cumprem o papel de equilibrar a saúde do órgão genital. Pode ocorrer um aumento da secreção vaginal, o que, para algumas mulheres, é muito benéfico, principalmente àquelas que estão na perimenopausa e/ou que utilizam pílula há muito tempo.

14. Pode ser usado com absorventes internos?
Sim, é possível utilizar ambos ao mesmo tempo. Basta colocar o anel vaginal contraceptivo antes do absorvente interno e prestar atenção ao retirá-lo para ter certeza de que o anel não foi removido acidentalmente. Se isso ocorrer, é necessário lavar o anel em água fria ou morna, nunca quente, e recolocá-lo imediatamente.

15. E com preservativos e lubrificantes?
O uso simultâneo do anel com preservativos e lubrificantes não interfere na utilização do anel e vice-versa, não oferecendo redução da sua eficácia contraceptiva.

16. E para o exame ginecológico, é preciso retirá-lo?
Não há necessidade de remover o anel para realizar o papanicolau ou exames de colposcopia.

17. Onde e como devo guardar o anel vaginal contraceptivo depois de comprá-lo?
O produto poderá ser mantido em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC) por um período máximo de quatro meses após a compra na farmácia. O anel não deve ser inserido após esse período ou vencido o prazo de validade impresso na embalagem, respeitando-se o que ocorrer primeiro.

18. O anel vaginal contraceptivo pode ser usado sem orientação médica?
A orientação do médico é importante na avaliação das condições clínicas da mulher para o uso de qualquer método anticoncepcional e para informá-la sobre data, horário, dose de administração, contraindicações e duração do tratamento.

Veja mais sobre o assunto em nossas coluna de Saúde Feminina com Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão

Serviço:
www.msdonline.com.br





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas