Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

22/11/2013
Você sabia que mulheres obesas podem enfrentar maior risco de desenvolver pedras na vesícula?



A colecistectomia remove a vesícula, não apenas as pedras da vesícula. É um procedimento com baixo índice de complicações, realizado por laparoscopia ou mais modernamente por laparoscopia com um único orifício (single port)

Uma nova pesquisa reforça a associação causal entre um elevado índice de massa corporal (IMC) e um aumento do risco de desenvolver cálculos biliares ou pedras na vesícula. Os resultados publicados no Hepatology, jornal da Associação Americana para o Estudo das Doenças do Fígado, confirmam que as mulheres estão em maior risco de desenvolver cálculos biliares.

De acordo com o gastroenterologista Silvio Gabor (CRM-SP 47.042), “a função da vesícula biliar é armazenar a bile produzida no fígado e lançá-la no duodeno (órgão entre o estômago e o intestino delgado) através dos ductos cístico e colédoco (canais da bile), quando ela é necessária para a digestão, principalmente de gorduras. Alterações de uma ou mais fases do metabolismo de formação da bile e seus componentes pode levar à precipitação do(s) componente(s) em excesso e sua cristalização, formando-se assim os cálculos”, explica o médico.

A doença do cálculo biliar é uma das doenças gastrointestinais mais comuns. Pode atingir até 10% da população em alguns países. É mais comum em adultos na faixa dos 40 aos 60 anos e em países do ocidente.

Estudos anteriores já haviam demonstrado que um IMC maior estava associado a um risco aumentado de doença do cálculo biliar. Para uma maior compreensão dessa relação, uma equipe de pesquisadores dinamarqueses realizou um estudo que contou com a participação de 77.679 participantes da população em geral. Neste grupo, havia 4.106 participantes que desenvolveram a doença do cálculo biliar sintomático, durante os 34 anos de duração da pesquisa.

Segundo os cientistas, os participantes do estudo com doença do cálculo biliar eram mais propensos a serem mais velhos, do sexo feminino e menos ativos fisicamente. Os pesquisadores descobriram que as pessoas com cálculos biliares muitas vezes faziam terapia de reposição hormonal e bebiam menos álcool do que aqueles sem a doença. As análises mostraram que o aumento do IMC foi associado com o risco de doença do cálculo biliar, com uma taxa de risco global de 2,84%. Ao analisar a relação do IMC e do sexo, a equipe descobriu que as mulheres tinham um risco maior de desenvolver a doença do cálculo biliar do que os homens (3,36% e 1,51%, respectivamente).

“Esse estudo reforça o que já imaginávamos há muitos anos. É clássico dizermos que pessoas ‘4F’ apresentam maios riscos de desenvolver cálculos biliares, isto é, mulheres (female), em idade fértil (fertility), ao redor dos 40 anos (fourty) e obesas (fat)”, lembra o médico.

Os resultados indicam que o risco de doença do cálculo biliar aumentou em 7% para cada 1 kg/m2 de aumento do IMC . "A obesidade é um fator de risco conhecido para a doença do cálculo biliar e o estudo dinamarquês sugere que o IMC elevado provavelmente contribui para o desenvolvimento da doença. Estes dados confirmam que a obesidade afeta negativamente a saúde e as intervenções de estilo de vida que promovem a perda de peso em indivíduos com sobrepeso e obesidade são muito pertinentes e necessárias”, afirma o gastroenterologista.


Tratamento cirúrgico, sempre...

Silvio Gabor destaca que, muitas vezes, a presença do cálculo biliar passa despercebida. “Não é incomum o paciente saber que é portador de pedras na vesícula somente ao fazer exames de rotina, como uma ultrassonografia solicitada por um clínico geral ou um ginecologista. Entre os sintomas mais comuns temos a dor em cólica do lado direito do abdome, logo abaixo das costelas. Essa dor, muitas vezes, tem seu início após a ingestão de gorduras e pode ser seguida de náuseas com ou sem vômitos, ou seja, são sintomas inespecíficos e ‘podem passar batidos’. Sintomas específicos que levam o médico a uma forte suspeita de pedras na vesícula, na maioria das vezes, aparecem com as complicações e acabam sendo diagnosticados nos pronto-socorros”, observa o médico, que também é professor assistente de Cirurgia Geral e do Trauma da Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA).

O tratamento é sempre cirúrgico. “A colecistectomia remove a vesícula, não apenas as pedras da vesícula. É um procedimento com baixo índice de complicações, realizado por laparoscopia ou mais modernamente por laparoscopia com um único orifício (single port ou portal único). Após a cirurgia, o fígado passa a assumir o papel da vesícula no armazenamento e distribuição da bile, havendo uma rápida adaptação do organismo, na maioria dos casos”, explica Gabor.

Segundo o médico, a colecistectomia é o procedimento cirúrgico da retirada da vesícula biliar. Esse tipo de cirurgia é realizada desde fins do século XIX. É o melhor tratamento para as doenças da vesícula biliar como litiase (pedras na vesícula) e várias de suas complicações como colecistite aguda (inflamação aguda da vesícula biliar), coledocolitiase (migração de cálculo para o canal da bile), colangite (infecção do canal da bile) e na prevenção de novas crises de pancreatite aguda biliar (inflamação aguda do pâncreas por presença de pedra no canal da bile) dentre outras. O câncer da vesícula biliar também exige sua remoção cirúrgica.



Veja mais sobre SAÚDE, QUALIDADE DE VIDA E NUTRIÇÃO em nossas colunas de:

1) Cardiologia do Esporte com Dr. Nabil Ghorayeb

2) Em forma com Pilates com Profa. Danielle Rotondo

3) Dicas de Atividade Física, com José Carlos Altieri

4) Corrida, com Emerson Vilela

5) Qualidade de Vida, com Profa. Priscilla de Arruda Camargo

6) Cuide da Saúde com Exercícios, com Prof. Dr. Marco Uchida

7) Ortopedia e Saúde com Dr. Roberto Ranzini

8) Saúde Feminina com Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão

9) A Gestante na Sua Melhor Forma, com Profa. Ms. Gizele Monteiro

10) Atividade Física e Musculação com Prof. Amauri Altieri

11) Aparelho Digestivo e Saúde com Dr. Sidney Klajner

12) Alimentos sem Segredos com Rosamaria Da Ré

13) Nutrição com Dra. Rosana Farah

14) Por Dentro dos Alimentos com Dra. Nicole Valente

15) Nutrição e Pediatria com Dr. Mauro Fisberg

16) Endocrinologia e Saúde com Dr. Filippo Pedrinola

17) Fitoterapia com Dra. Vanderli Marchiori





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas