Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

03/04/2014
Como escovar os dentes e o que escolher: escova interdental ou fio dental?

Pesquisa revela que mais da metade dos brasileiros não escova o dente direito

A cárie é uma das doenças mais comuns no mundo, mas muitas pessoas nem imaginam que sofrem deste mal. Ela é uma deterioração do dente que está diretamente relacionada ao estilo de vida do indivíduo, ou seja, ao que come, como cuida dos dentes e se tem acesso à água fluoretada.

Para a Professora Doutora Titular da Disciplina de Saúde Coletiva da Faculdade de Odontologia da USP (FOUSP), Maria Ercília de Araújo, a higiene bucal correta é uma das melhores maneiras de prevenir a doença. “Atualmente, o consumo elevado de açúcar é preocupante, pois ele está presente em bolachas, refrigerantes, doces, balas, chicletes, sorvetes, etc. Por isso, é imprescindível escovar corretamente os dentes após as refeições, massageando as gengivas com creme dental que contenha flúor em sua composição e usar fio dental, que remove os restos de comida e a placa bacteriana nos locais aonde a escova não chega”, explica Ercília.





Mas como escovar os dentes?

Pode parecer estranho, mas muitas pessoas não sabem como escovar corretamente os dentes. Este dado foi constatado em pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, (clique aqui) que revelou que 58% dos brasileiros não escova o dente de forma correta. Fica a pergunta: do ponto de vista profissional como é a escovação adequada? “É aquela que engloba escova, pasta e fio dental e que higieniza dentes, bochechas e língua”, afirma Lauro Delgado, especialista em estética e reabilitação oral, da clínica Odonto Integrada Delgado.

As escovações após cada refeição são fundamentais para manter a boa saúde bucal, elas evitam que as bactérias se proliferem e originem a cárie. No entanto, algumas pessoas não conseguem escovar direito o dente durante o dia devido ao trabalho na rua, por exemplo. “A dica é dar atenção especial e não deixar de fazer a última do dia, que deve ser bem detalhada”, sugere Delgado. “Durante o sono o fluxo salivar diminui, as bactérias se proliferam em maior velocidade e os detritos alimentares se degradam e entram em decomposição acelerada causando mau hálito”, completa.

A higienização fica muito focada nos dentes, de acordo com o dentista, mas é preciso lembrar que língua e bochechas sem limpeza são grandes multiplicadoras de bactérias e propiciam o aparecimento de cáries e mau hálito. Uma escovação adequada deve durar de 5 a 8 minutos. “Escovação é uma questão de jeito não de força”, lembra o dentista. Assim, nada de movimentos fortes que machuquem a gengiva.

O uso de fio dental, é parte fundamental para finalizar o processo de limpeza oral iniciado pela escova de dente, eliminando eventuais detritos e bactérias que permanecem nos espaços aonde a escova não chega. É possível, entretanto, complementar ou substituir o velho fio dental, composto de fibras de nylon, que muitas vezes podem desfiar ou romper durante o manuseio, por escovas interdentais, consideradas mais eficientes na remoção de sujeiras na região chamada de proximal, ou seja, localizada entre os dentes.

Na arcada dentária humana existem locais anatômicos, com cavidades, depressões e irregularidades que até mesmo o fio ou fita dental não conseguem atingir e que só podem ser acessados pelas escovas interdentais, comenta o professor, mestre e doutor em Odontologia da UNIBAN, Hugo Lewgoy. “A higienização entre os dentes é tão importante que é considerada a principal diferença entre os indivíduos de países que conseguiram erradicar a cárie e dos países que permanecem com esta doença como uma verdadeira epidemia. Por isso, enquanto a higiene da região proximal não for uma rotina, as pessoas vão continuar com cáries e doenças gengivais”, observa Lewgoy.

O especialista afirma também que as escovas interdentais comuns ou genéricas têm o centro metálico muito espesso com cerdas muito curtas e duras, tornando a limpeza ineficiente e traumática. “Se a escova for muito fina, não higieniza de forma adequada e, se for muito grossa, não se encaixa ou não entra no espaço entre os dentes. Em ambos os casos, pode provocar trauma e retração gengival”, explica o professor.

“Imagine uma escova para limpar mamadeiras, aquelas que têm um fio metálico central de onde saem pelos ou cerdas que executam a limpeza da parte interna da mamadeira. Os fios desta escova devem ser longos o suficiente para alcançar totalmente as paredes internas da mamadeira. Não adianta nada tentar limpá-la com uma escova com pelos curtos, pois muitas regiões não serão atingidas. Fazendo uma analogia com as escovas, é exatamente isto o que ocorre com as escovas interdentais comuns. Elas não limpam corretamente”, explica o professor.





Dra Adriana Rodrigues (CRO 55808) é cirurgiã-dentista especialista em prótese dentária, reabilitação oral, e implantes explica que assim como tomar banho diariamente, os cuidados com a higiene bucal devem fazer parte da rotina. “Não se gasta muito tempo para escovar os dentes após comer, o indicado são dois minutos apenas. O uso do fio dental e do limpador de língua completa a limpeza ideal diária”, afirma a doutora. Mas, para aqueles momentos de emergência, a Dra. Adriana listou seis dicas que podem ajudar a diminuir as chances das bactérias se multiplicarem e deixarem o ambiente propício para a instalação de doenças orais.

1. A principal dica de prevenção é a visitar o dentista pelo menos uma vez ao ano;

2. Alimentos “auto-limpantes” - Se não puder proceder a limpeza logo depois da refeição, consuma alimentos como cenoura e maçã, que ajudam a remover resíduos dos dentes;

3. Cuidado com o que coloca na boca - cigarro, excesso de café, refrigerantes à base de cola, e vinho tinto podem provocar manchas nos dentes, então evite-os;

4. Kit escovação a “tira colo” – existe no mercado escovas de dente portáteis, pequenas e fáceis de carregar. Assim como pastas de dentes e fio dental em tamanho reduzido. Ande com esses kits no bolso ou deixe no carro. Assim, será mais difícil ser pego de surpresa;

5. Sempre hidratado - beber água previne mau hálito e doenças como cárie;

6. Língua escovada - o mau hálito pode ser causado por acúmulo de bactérias nessa região.


A escovação em si:

Pegar um pedaço generoso de fio dental, enrolar na ponta do polegar de cada mão, colocar no meio de cada dente fazendo movimentos de dentro para fora e de cima para baixo simultaneamente.

Na parte superior, posicionar a escovar inclinada com as cerdas na direção e encostadas da gengiva; fazer movimento como se estivesse varrendo para baixo a sujeira. Já na parte inferior, posicionar a escova inclinada perto da gengiva e “varrer” para cima. Estes movimentos devem ser repetidos cerca de 10 vezes em cada grupo de dois dentes.

Posicionar a escova bem no fundo da língua e puxar a sujeira para frente. Repetir em toda língua.

Passar a escova em toda bochecha.


Passo a passo para a correta utilização das escovas interdentais

Escovas interdentais: inserção, higienização e remoção sem traumas

1- Adquira uma escova interdental de boa qualidade. Consulte o seu cirurgião-dentista sobre as melhores opções, pois as escovas interdentais não são iguais;

2 - Inicialmente, faz-se a localização do espaço entre dois dentes e a inserção da ponta da escova de forma inclinada em um ângulo de aproximadamente 45º graus em direção à gengiva. Deve-se localizar e inserir a ponta da escova na entrada do espaço entre dois dentes. Nos dentes superiores, inclina-se a escova para cima e, nos dentes inferiores, inclina-se a escova para baixo;

3 - Este acesso deve ser realizado de forma delicada com uma pressão suave e sem forçar a escova. Deve-se dar preferência para os dentes da frente ou anteriores;

4 - Após a inserção da escova, deve-se retificar a inclinação da mesma fazendo com que a escova deslize perpendicularmente em relação aos dentes em um movimento de fora para dentro da boca ou de vestibular para lingual. É importante salientar que a escova deve deslizar facilmente, sem qualquer pressão;

5 - A inserção da escova entre os dentes, ou seja, em cada espaço proximal deve ser feita diariamente, porém, deve-se apenas inserir e remover o dispositivo sem a necessidade de escovação forçada e repetida para frente e para trás. Isto poderia machucar a gengiva ocasionando retrações e provocando espaços ou pontos escuros entre os dentes;

6 - Quando a escova interdental é inserida pelas primeiras vezes entre os dentes, é possível que a gengiva sangre um pouco e cause algum desconforto doloroso. Isso não é motivo para preocupação, porque não significa que se tenha traumatizado a gengiva, mas sim que existe uma inflamação prévia causada pela placa bacteriana. Só ocorrem sangramentos nas gengivas quando estão inflamadas pela presença da placa bacteriana ou ao se utilizar uma escova com diâmetro inadequado. Ao utilizar a escova interdental corretamente, o sangramento desaparecerá em até dez dias;

7 - Uma opção para determinar qual é a escova mais adequada para cada caso é por meio da utilização da sonda medidora IAP Prime da CURAPROX. Ela mede o espaço proximal que possibilita uma perfeita adaptação das escovas interdentais na região localizada entre os dentes. As escovas são calibradas por meio de diferentes medidas de diâmetro evidenciadas por diferentes cores, de forma análoga às escovas interdentais correspondentes.


Veja mais sobre SAÚDE BUCAL em:

1) Saúde Bucal com Dr. Luiz Felipe Scabar

2) Odontologia Holística com Dr. Rodrigo Venticinque





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas