Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

29/04/2014
Dengue: de novo, ou ainda?

A bola da vez é a DENGUE.

A epidemia de dengue em São Paulo tem feito a procura por analgésicos e repelentes crescer nas farmácias de algumas cidades do Estado, onde os casos registram alta. A demanda é principalmente por dipirona e paracetamol, além das fórmulas para passar na pele na tentativa afastar o mosquito Aedes aegypti.

"O uso sem orientação médica de remédios e de repelentes em crianças ou até mesmo em adultos pode agravar o estado de saúde e gerar intoxicação", explica o Prof. Dr. Paulo Taufi Maluf Júnior (CRM/SP 21.769), do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas e do Hospital Sírio-Libanês.

“Um dado curioso apresentado na mostra nacional do levantamento é a de que 55% dos entrevistados acham que se o vizinho não tomar as precauções necessárias para evitar dengue, as medidas que ele mesmo adotar não adiantarão,” diz o Pediatra, Dr. Moises Chencinsky, clique aqui

Em 2010, com uma epidemia de 1000 casos no Guarujá nos primeiros 3 meses do ano, com 7.500 casos suspeitos notificados no Estado de São Paulo e ressaltando que doenças (H1N1, norovírus e dengue) que poderiam ser prevenidas com cuidados simples (LAVAR AS MÃOS, MATAR MOSQUITOS E EVITAR ACÚMULOS DE ÁGUA PARA SUA PROCRIAÇÃO) estavam fora de controle.

Agora, em 2014, em começo de março aparece a notícia de que as taxas de dengue caíram, com redução de 80% do total dos casos (427.000 para 87.000), 95% menos óbitos e 84% menos de casos graves, em relação ao primeiro bimestre de 2013, segundo dados do Portal Brasil de 18 de março.

“Porém o que temos visto em março e abril é que os casos de dengue voltaram a aumentar em escala de epidemia e algumas cidades como Maringá (1.200 casos confirmados até março), Brasília (2.285), Osasco (312 – tendo triplicado nos últimos 20 dias). Na cidade de São Paulo, segundo a Agência Brasil, houve um aumento de 42% dos casos comparados a 2013”comenta o Pediatra, Dr. Moises Chencinsky, clique aqui


O Ministério da Saúde, (clique aqui) considera incidência média entre 100 e 300 casos por 100 mil habitantes. Acima disso, a incidência é considerada alta. A média da cidade de São Paulo está em 15,5 casos por 100.000 habitantes. Porém algumas regiões da cidade, especialmente a zona Oeste, apresentam índices muito mais preocupantes. No Jaguaré, foram registrados 324 casos, com índice considerado alto, de 649,8 casos por 100 mil habitantes. Na Lapa, foram notificados 158 casos, com índice médio de 240,3 ocorrências por grupo de 100 mil habitantes.

Assim, como se observa, longe das informações otimistas, a dengue está aí.



Dr. Moises nos esclarece:

O que é dengue?


A dengue é uma doença transmitida por um arbovírus (isso mesmo, é mais uma das viroses), com evolução benigna na forma clássica, mas que pode ser muito grave quando se apresenta na forma hemorrágica.



Como ela é transmitida?

O vírus da dengue é um arbovírus e são conhecidos quatro sorotipos: 1, 2, 3 e 4. Nas Américas, os vírus são transmitidos pela picada do mosquito do gênero Aedes aegypti. Ele mede menos de um centímetro, parece um mosquito comum, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas. Diferente da maioria dos mosquitos, o Aedes pica durante o dia e a noite, ao contrário do mosquito comum, que pica só durante a noite. Eles se proliferam dentro ou nas proximidades de habitações (casas, apartamentos, hotéis), em recipientes onde se acumula água limpa (vasos de plantas, pneus velhos, caixas d’água). A transmissão não acontece por contato direto de um doente ou de suas secreções com uma pessoa sadia, nem de fontes de água ou alimento.


Como desconfiar de dengue?

A dengue é uma doença aguda que pode ter um quadro bem variável e inespecífico de sintomas, especialmente em sua fase inicial:

• Febre alta (acima de 39 – 40º) que começa rapidamente (do nada), que pode durar até 7 dias;

• Além disso, fraqueza, dor no corpo, nas articulações e no fundo dos olhos, dor de cabeça, náuseas e vômitos são os sintomas mais comuns da dengue clássica. Se além desses sintomas houver dores abdominais contínuas, suor intenso e queda de pressão, tem que se suspeitar de dengue hemorrágica.



Como confirmar o diagnóstico?

Além da suspeita clínica, devem ser feitos exames laboratoriais complementares:

• Hemograma com contagem de plaquetas;
• PCR para dengue;
• Sorologias para dengue (identificam o tipo de vírus – 1,2, 3 ou 4).



Como se trata a dengue?

Não há tratamento específico para o quadro além de hidratação, repouso e medicação para os sintomas. Não se deve usar Ácido Acetil Salicílico (pode evoluir para dengue hemorrágico). Mesmo assim, tanto o diagnóstico quanto o tratamento só devem ser feitos por um médico, após examinar o paciente. NUNCA SE AUTOMEDIQUE. Apesar de muita pesquisa, ainda não existem vacinas para dengue.



INFORMAÇÕES FINAIS IMPORTANTES SOBRE A DENGUE:

• Dengue não é contagiosa. Sua transmissão só acontece pela picada do mosquito Aedes aegipty;

• O mosquito se multiplica em águas paradas, normalmente perto das casas. Não deixe acumular água em vasos de plantas, pneus. Não deixe caixas d’água abertas;

• Dengue é uma doença de notificação compulsória, conforme PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 (página 4). Isso quer dizer que todo caso de dengue confirmado deve ser comunicado ou nos postos de saúde ou até on-line (por exemplo – para o CVE). Através dessa comunicação a Vigilância Epidemiológica poderá tomar as providências para o rastreamento e contenção dos casos;

• Outros quadros podem parecer dengue, especialmente na fase inicial como gripe, sarampo, rubéola e outros quadros virais. Com febre alta e se estiver em região já com casos de dengue confirmados, procure imediatamente um serviço médico.


“Para tentar proteger as crianças, a recomendação é, dependendo da temperatura, vesti-las com calças compridas e cobrir os pés com meias ou calçados. Os véus de tule usados em berços e camas e as telas nas janelas também podem auxiliar no afastamento do mosquito. Em crianças acima de 2 anos os repelentes recomendados são os que contêm a substância DEET. O uso de complexo B oral não tem nenhuma comprovação científica de que seja eficaz”, explica o Dr. Paulo Maluf.



Repelente Caseiro

O pediatra recomenda que em crianças acima de 3 anos pode-se aplicar o repelente caseiro. “Em meio litro de álcool coloca-se um pacote de cravo da Índia e deixa-se por quatro dias, sendo conveniente agitar a composição duas vezes ao dia. A seguir, misturam-se 100ml de óleo corporal (de camomila, amêndoas, citronela). Aplicar 1 gota nos braços e nas pernas da criança”, orienta o pediatra.



Os pais podem ainda ensinar as crianças maiores a manter a casa limpa e colocar areia nos pratos de baixo dos vasos de planta, evitando o acúmulo de água e a proliferação do mosquito entre outras medidas.




Veja mais sobre o que Dr. Moises escreve em:

Pediatria: da barriga para o mundo, com muita saúde, com Dr. Moises Chencinsky






Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas