Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

05/05/2014
O que te causa dor de cabeça?

Tá aí um sintoma muito comum nos dias de hoje. Se você não tem, certamente conhece alguém que, vira e mexe, está se queixando de dor de cabeça. Isso gera importante impacto na qualidade de vida, no desempenho social e mesmo profissional. Mas, o que será que desencadeia dor nessas pessoas? Quais são os gatilhos mais importantes?

A dor de cabeça frequente e intensa pode afetar de forma significativa o dia a dia, atrapalhar o desempenho no trabalho e a vida social. A dor varia de intensidade, pode ser sentida como um ligeiro desconforto ou de forma insuportável. Hoje é comum ouvir queixas de pessoas com o problema, mas felizmente na maioria dos casos não é sintoma de doença grave, pode ser apenas sinal de estresse, tensão, fadiga, ansiedade ou distúrbios emocionais.

No Brasil, cerca de treze milhões de pessoas apresentam dores de cabeça diariamente. O número é maior do que o encontrado em outros países, como Estados Unidos, por exemplo. A informação é da Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBCE).



De acordo com Shigueo Yonekura, neurologista do Instituto de Medicina e Sono de Campinas e Piracicaba, existem vários tipos básicos de dor de cabeça e a mais comum é a tensional episódica, geralmente causada por falta de sono e cansaço. Normalmente a dor é localizada na testa e/ou nuca ou topo da cabeça. Não costuma ter sintomas associados e a frequência pode variar muito.

Para o neurologista Leandro Teles, formado e especializado pela Universidade de São Paulo: “Grande parte das dores de cabeça crônicas são determinada por aspectos genéticos e exacerbada por aspectos ambientais. Como ainda não podemos mudar o código genético, nos resta tentar mudar o estilo de vida dessas pessoas”.

Existem inúmeras causas e tipos de dor de cabeça. As mais comuns são a dor tipo TENSÃO MUSCULAR (mais leve, constante e difusa na cabeça) e a temida ENXAQUECA (mais forte, incapacitante, lateralizada, pulsátil, com náuseas e franca intolerância a luz e ruído). Seja uma, seja outra, alguns cuidados na rotina de vida devem ser tomados a fim de reduzir sua manifestação.

“O tratamento da dor de cabeça crônica é um processo que nasce de um diagnóstico preciso, compreensão do contexto de vida do paciente, mapeamento dos sintomas (diário de dor), mudanças de estilo de vida e, eventualmente, medicamento preventivo”, explica o neurologista.


Convidamos Dr. Teles para discutir alguns hábitos que podem gerar dor em pessoas com enxaqueca e dor de cabeça tensional. Veja abaixo:

1- Sedentarismo
Esse é um erro comum de quem tem dor de cabeça frequente. Inúmeros estudos já demonstraram os benefícios da atividade física regular na redução da frequência e intensidade de crises de dor de cabeça. O ideal é a atividade aeróbica, que dê prazer ao praticante (seguir gostos pessoais) e com regularidade. Além de um controle direto das dores, a atividade melhora o sono, controla a ansiedade, o peso e a saúde como um todo.

2- Privação de Sono
Isso não é nada recomendado para tem predisposição à dor de cabeça. O ideal é manter cerca regularidade de horário, dormir continuamente e pelo menos entre 6 e 10 horas por noite (a depender da necessidade individual). Quando for inevitável a privação é fundamental descansar bastante antes da noite em questão e dar opção ao corpo de descansar um pouco a mais na manhã seguinte. Outro problema quem tem dores de cabeça é dormir demais, isso mesmo, dormir muito também causa dor. Por isso a dica é a regularidade.

3- Ficar muito tempo sem comer
Erro clássico. As pessoas estão sempre no corre-corre, resolvendo problemas do dia-a-dia e se esquecem dessa medida simples e muito importante: se alimentar em intervalos regulares. Quem tem enxaqueca ou cefaleia tensional pode desencadear uma crise por essa privação glicêmica. A dica é manter pequenas porções, várias vezes ao dia. Evite ficar mais de 4 horas sem comer alguma coisa, pode ser uma refeição, um lanche, uma fruta ou mesmo uma barra de cereais.

4- Alimentação Inadequada
Algumas pessoas são sensíveis a alguns alimentos, manifestando dor de cabeça após esse consumo. Os mais comuns, no caso da enxaqueca são: chocolate ao leite, queijos amarelos, embutidos, condimentos e temperos. Eles podem conter substâncias que alteram o calibre dos vasos dentro da cabeça, precipitando uma crise (são ricos em tiramina, cafeína, sulfitos, nitratos, etc.). O ideal é ficar bem atento, só retire da dieta se houver uma associação consistente. Atente também para laticínios (muitas pessoas são intolerantes), fast food, refrigerantes, etc. Neste quesito cada paciente precisa se conhecer muito bem evitar dietas padronizadas sem evidência de associação.

5- Stress do dia-a-dia
Isso sim é uma bomba-relógio. A sobrecarga de trabalho, acúmulo de tarefas, pressão emocional, etc., tudo isso coopera com elevação na taxa de crises de dor de cabeça. Como é impossível eliminar todos os fatores estressores da nossa rotina, a dica é tentar minimizar esses momentos e abusar de medidas anti-stress (atividades de relaxamento, sociais, lazer, atividade física, férias, etc.).

6- Consumo Álcool
O Álcool pode gerar dor de cabeça tipo tensão e agravar enxaqueca. Isso pode ocorrer desde poucos minutos após sua ingesta (efeito vasodilatador e neurotóxico do etanol) até 1 dia após (efeito de desidratação da ressaca). Quem tem predisposição a crises de dor de cabeça deve ter muito moderação e cuidado com uso do álcool. No caso específico da enxaqueca, ocorre uma sensibilidade maior ao vinho tinto, que além do álcool contém tiramina (uma substância que altera os vasos).

7- Abuso de Medicamento Analgésico
Isso mesmo! Consumir muito analgésico causa mais crises de dor. Parece paradoxal, mas é isso mesmo. O analgésico comum pode ser usado para crises muito eventuais, nó máximo 2X na semana. Acima disso, consideramos abuso, pois ele precipita a dor de cabeça rebote. O medicamento em excesso faz com que as crises retornem com uma frequência cada vez maior, podendo aparecer até todos os dias. Para evitar isso é fundamental procurar ajuda especializada e iniciar um tratamento mais adequado e personalizado.

8- Doenças descompensadas
Uma série grande de doenças clínicas descompensadas pode causar ou piorar crises de dor de cabeça. Entre as principais estão: fibromialgia, problemas de coluna cervical, depressão, ansiedade, problemas na tireoide, insônia, disfunção de ATM, bruxismo, etc. Pode isso, é fundamental manter a saúde em dia e atentar para a compensação de outras patologias que possam estar associada à dor de cabeça. Para tal, é importante o seguimento médico regular e uma abordagem clínica abrangente.

9- Oscilação hormonal
A queda ou a elevação do estrógeno são importantes desencadeadores de dores de cabeça. A montanha russa hormonal que as mulheres em idade fértil passam as torna muito mais sensíveis às dores de cabeça. Por isso que a enxaqueca é 3X mais comum em mulheres do que em homens. O período de maior risco é o pré-menstrual, aonde o estrógeno despenca, mas podem ocorrer crises durante ou mesmo logo após a menstruação. É fundamental checar se sua dor de cabeça tem esse padrão e comunicar ao seu ginecologista e seu neurologista de confiança.

10-Exposição solar excessiva
Mais um fator provocador de dor. A exposição excessiva, seja em tempo, seja em intensidade, pode causar desde desconforto leve até fortes crises de enxaqueca. O calor é vasodilatador, além disso, a exposição luminosa intensa pode precipitar crises. No verão, é muito comum haver piora das crises, por viagens, alteração do ritmo de sono e alimentar, excesso de álcool e aumento da exposição solar.



Existem outros tipos de cefaleia. A cefaléia em salvas, caracterizada por crises de forte intensidade e latejante. A dor é de um lado só e costuma durar de minutos a três horas e aparece em dias seguidos ou alternados. Geralmente é associada com vermelhidão no olho, lacrimejamento e entupimento nasal

Já a enxaqueca, assim como a cefaléia tensional, é considerada uma dor de cabeça primária. São chamadas de primárias porque elas mesmas são a doença. O problema, de fundo genético, acomete mais as mulheres. “A dor começa leve e vai aumentando, enjoo e sensibilidade à luz podem acompanhar a enxaqueca. Com esforço físico a dor aumenta, o que faz com que a pessoa prefira ficar em repouso”, comenta Yonekura.

Não podemos deixar de citar a dor de cabeça secundária, nesses casos é o resultado de uma infecção ou aumento da pressão dentro do cérebro. As causas variam de doenças relativamente simples, como a sinusite, até doenças mais graves, como tumores cerebrais.
Independente do tipo o ideal é procurar ajuda de um médico que vai avaliar o caso e indicar o melhor tratamento.


Veja mais sobre SAÚDE, QUALIDADE DE VIDA E NUTRIÇÃO em nossas colunas de:

1) Cardiologia do Esporte com Dr. Nabil Ghorayeb

2) Em forma com Pilates com Profa. Danielle Rotondo

3) Dicas de Atividade Física, com José Carlos Altieri

4) Corrida, com Emerson Vilela

5) Qualidade de Vida, com Profa. Priscilla de Arruda Camargo

6) Cuide da Saúde com Exercícios, com Prof. Dr. Marco Uchida

7) Ortopedia e Saúde com Dr. Roberto Ranzini

8) Saúde Feminina com Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão

9) A Gestante na Sua Melhor Forma, com Profa. Ms. Gizele Monteiro

10) Atividade Física e Musculação com Prof. Amauri Altieri

11) Aparelho Digestivo e Saúde com Dr. Sidney Klajner

12) Alimentos sem Segredos com Rosamaria Da Ré

12) Nutrição com Dra. Rosana Farah

13) Por Dentro dos Alimentos com Dra. Nicole Valente

14) Nutrição e Pediatria com Dr. Mauro Fisberg

15) Endocrinologia e Saúde com Dr. Filippo Pedrinola

16) Fitoterapia com Dra. Vanderli Marchiori






Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas