Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

19/05/2014
Micoses, como identificar, tratar e os tipos?

Com a chegada da temporada de inverno, é comum que as pessoas optem pelo uso de sapatos fechados, roupas e meias sintéticas, além de banhos excessivamente quentes, sempre com o objetivo de ter mais conforto térmico. No entanto, estes são alguns dos hábitos que podem criar condições favoráveis para o surgimento da micose, que atinge qualquer região do corpo, sendo porém mais frequente em áreas com pouca ventilação, que sejam quentes e úmidas.

As micoses são doenças causadas por fungos e podem ser divididas em superficiais e profundas. Superficiais são aquelas em que o fungo se localiza sobre a pele ou ao redor dos pêlos, ou ainda se os fungos penetram apenas na camada externa da epiderme, a camada córnea, ou nas raízes dos pêlos e das unhas.

Já nas micoses profundas, os parasitas podem infectar a pele e os órgãos internos, como os pulmões, intestino, ossos, sistema nervosos e outros.
Ao penetrar no organismo o fungo se dissemina, por via linfática ou sanguínea.

As micoses profundas são obviamente muito mais graves que as superficiais e apresentam aspectos de incidência particulares. Alguns tipos são encontrados em todas as partes do mundo e há outras formas, como a Blastomicose, com mais frequência de aparecimento na América do Sul.

As micoses superficiais são divididas em 2 grupos:

Aquele que se localiza na superfície da pele e pêlos, os fungos retiram sua alimentação de restos epiteliais ou de secreções.
O outro grupo é constituído por doenças denominadas Dermatomicoses e Dermatofitoses.

As Dermatomicoses são causadas por fungos específicos dotados de uma enzima especial que pode transformar a queratina em alimento. A queratina é a principal substância constituinte da camada córnea da epiderme, dos pêlos e unhas.

Já as Dermatofitoses são cauda por fungos Dermatófitos, classificados em 3 gêneros:Tricófitos, Microsporos e Epidermófitos.

A micose de couro cabeludo apresenta-se como uma área arredondada com menos cabelos, descamação e coceira. Compromete mais as crianças, é contagiosa e se manifesta em ambientes comunitários.

O tratamento é sistêmico, via oral, feito por médico especialista.

A micose de é bastante comum, causando lesões como bolhas, descamação e intertrigo. A frieira é a forma clínica de pé-de-atleta, ou dermatofitose. As lesões de frieira localizam-se entre os artelhos, sendo pruriginosas, podendo ser provocadas por Dermatófitos do gênero Trichophyton ou pela Candica albicans.

A micose de unha é de difícil e longo tratamento, porque o fungo se adapta muito bem às unhas dos pés, provocando o engrossamento, amarelamento e descamação das unhas.


Sobre as Unhas: os esmaltes também podem transmitir fungos e micoses

As mulheres que frequentam o salão semanalmente sabem da importância de levar seu próprio kit de unhas para evitar a transmissão de fungos e micoses. Muitas já são adeptas a essa prática, mas o que a maioria não sabe é que além desse cuidado, também é preciso levar o seu próprio esmalte.



Segundo o Laboratório de Microbiologia Médica, do Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp), foi comprovado que os esmaltes também podem transmitir doenças, pois podem gerar fungos dentro do vidro.

Uma dica para quem vai ao salão toda semana é levar o seu próprio kit de unhas (alicate, lixa de unha, espátula e palito) e, além disso, os seus próprios esmaltes. Lembrando que é importante que sejam embalados com blister para prevenir certas contaminações que podem acontecer em perfumarias e mercados.

Além disso, as mulheres precisam ficar atentas se a unha estiver doente. Não se deve usar nenhum produto até que esteja curada, pois a infecção pode passar para outras unhas saudáveis.

Cada um tem uma “receita” para mantê-las bonitas e saudáveis. Pintá-las com esmalte de cor mais escura para fortalecer, cortá-las quadradinhas para não encravar, deixá-las alguns dias sem esmalte para que possam “respirar”... As “receitas” são inúmeras, mas nem todas eficientes.



• Ao contrário do que muita gente acredita, os esmaltes escuros não escurecem nem fortalecem as unhas. “O que deixam as unhas amarelas são algumas substâncias, como solventes, presentes em determinadas marcas; é preciso ficar de olho e fazer uso moderado destes produtos”, alerta a dermoconsultora da farmácia online Netfarma Dra. Flávia Martelli CRM-SP 83467,. E o que fortalece as unhas é a alimentação adequada. Deficiências nutricionais e também certos medicamentos de uso contínuo podem comprometer sua aparência. Vale conversar com o médico a respeito e sempre caprichar na alimentação balanceada.

• Cortar em vez de lixar garante o fortalecimento das unhas. “O modo utilizado para manter o comprimento das unhas não interfere no seu processo de fortalecimento visto pois só se corta a extensão das unhas, quando já passou da fase de crescimento.”


Verdades

• Unhas precisam de um tempo sem esmaltes e removedores para “respirar”. “Nossas unhas são constituídas por células mortas, então não há essa necessidade de “respiração”. No entanto o que pode ocorrer é o ressecamento de unhas e cutículas por conta da esmaltação frequente e, principalmente, o uso de removedores de esmalte. “Prefira removedores que não tenham acetona na composição, desta maneira a unhas não ficarão tão esbranquiçadas ou ressecadas. O uso de hidratantes específicos para mãos e unhas também é recomendado”, explica a dra. Flávia.

• É possível contrair doenças como hepatite e micoses fazendo as unhas. “Materiais mal esterilizados, como o alicate, e usados em várias pessoas, pode ser, sim, um caminho para a contaminação. Se possível, tenha seu próprio kit”, sugere a dra. Vale também verificar se o salão conta com auto claves que esterilizam os materiais de uso coletivo.


• O formato dos bicos dos sapatos e também das unhas ajudam a encravá-las com mais facilidade. “Para quem usa calçados fechados com frequência, o ideal que as unhas dos pés sejam cortadas em formato quadrado; já as das mãos o formato oval é o mais indicado por serem naturalmente mais frágeis”, a médica pontua. Sapatos de bicos finos ou com pouco espaço para a movimentação dos dedos costumam facilitar o encravamento das unhas do pés.


Dica

Hoje em dia existe uma infinidade de produtos que facilitam a busca por unhas mais bonitas e saudáveis. “Uma boa loção hidratante para unhas usadas diariamente ajuda no combate ao ressecamento e deixa as unhas com aspecto mais saudável. Outra dica é usar lixas que ajudam a remover saliências sem danificá-las e dá brilho”, completa a consultora da Netfarma.


Confira abaixo as dicas do Dr. Luiz Guilherme Martins Castro, coordenador da área de Dermatologia do Laboratório Fleury, Mestre em Dermatologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Doutor em Dermatologia pela Universidade de São Paulo (USP), para ficar livre desta infecção.


1. Quais são os cinco hábitos que mais favorecem o surgimento da micose?

Dr. Luiz Guilherme Martins Castro –
Com o frio as pessoas adotam alguns hábitos que podem facilitar o surgimento da micose, entre eles, o uso de sapatos fechados, roupas e meias sintéticas; tomar banho em alta temperatura e não secar bem os dedos e outras dobras no corpo. Os sapatos fechados, assim como as roupas e meias sintéticas, aquecem, mas dificultam a absorção do suor, favorecendo a proliferação dos fungos. Por isso, é importante que a pessoa opte por roupas e meias de algodão, além de deixar o sapato ventilar após o uso e, preferencialmente, não utilizar o mesmo par por dias seguidos. No caso do banho, além da alta temperatura ser prejudicial à pele, cria um ambiente umidificado na casa, que é propício para o aparecimento de microorganismos. Já o ato de não secar locais como o vão entre os dedos dos pés, a virilha, a região abaixo das mamas e outras dobras do corpo, deixa a pele exposta à umidade, que aliada ao calor, pode causar a micose.


2. Quais são os sintomas da micose?

Dr. Luiz Guilherme Martins Castro -
Entre os primeiros sinais e sintomas da micose estão coceira, as alterações na pele - pequenas bolhas de água, descamação, vermelhidão e fissuras – e ardência. Para um diagnóstico mais preciso, é importante que seja consultado um médico especializado em Dermatologia.


3. Como é realizado o tratamento da micose?

Dr. Luiz Guilherme Martins Castro -
O tratamento da micose é realizado com o auxílio de medicamentos de uso tópico como o Canesten®, sendo aplicado diretamente na pele. É importante ressaltar que o tratamento precisa ser realizado de acordo com o ciclo sugerido em bula, utilizando o medicamento por um período de ao menos quatro semanas, sem interrupção, mesmo quando os sintomas aparentemente desaparecerem, desta forma, pode-se evitar a micose recorrente.



4. O que é micose recorrente?

Dr. Luiz Guilherme Martins Castro –
Micose recorrente é o termo utilizado quando esta infecção, que aparentemente foi tratada e curada, reaparece no mesmo local. Existem três fatores que favorecem a micose recorrente. O primeiro, é quando a pessoa possui um problema de saúde que a predispõe a ter a infecção, como por exemplo, o caso de pacientes com diabetes, que tem uma imunidade mais baixa. O segundo, seria o tratamento incorreto, quando a pessoa não completa todo o ciclo sugerido em bula. O terceiro, se aplica às pessoas que não conseguiram modificar as condições da pele, e continuam a manter os mesmos hábitos que as expõem aos fungos.



Para evitar a contaminação em geral você precisa:

* Manter o corpo limpo e seco, especialmente pés, mãos e reentrâncias.
* Evite andar descalço em áreas de uso comum, como clubes e academias
* Usar semanalmente talcos e loções secativas contendo agentes antissépticos, como Triclosan, Triclorocarban,Capriloil glicina,Óleo essencial de Melaleuca e Timol.
* Evitar compartilhar objetos de uso pessoal, como alicates de unha, escovas e pentes, buchas e esponjas de banho.


A micose é facilmente confundida com outras doenças e o uso de medicamentos indevidos pode agravar a situação. Conforme avaliação médica, serão indicados exames de raspado e cultura da lesão para confirmar o diagnóstico.




Veja mais sobre SAÚDE, QUALIDADE DE VIDA E NUTRIÇÃO em nossas colunas de:

Cardiologia do Esporte com Dr. Nabil Ghorayeb

Qualidade de Vida, com Profa. Priscilla de Arruda Camargo

Cuide da Saúde com Exercícios, com Prof. Dr. Marco Uchida

Ortopedia e Saúde com Dr. Roberto Ranzini

Saúde Feminina com Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão

A Gestante na Sua Melhor Forma, com Profa. Ms. Gizele Monteiro

Atividade Física e Musculação com Prof. Amauri Altieri

Aparelho Digestivo e Saúde com Dr. Sidney Klajner

Alimentos sem Segredos com Rosamaria Da Ré

Nutrição e Pediatria com Dr. Mauro Fisberg

Endocrinologia e Saúde com Dr. Filippo Pedrinola






Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas