Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

02/06/2014
Tireoide: saiba mais sobre seus hormônios e sua disfunção!


Com o objetivo de contribuir para o alerta no Brasil, o Sérgio Franco Medicina Diagnóstica divulgou um estudo, realizado no Sudeste e no Sul do país, sobre a prevalência de algumas doenças da tireoide na população brasileira. No total, foram analisadas amostras de mais de 330 mil pessoas; destas, aproximadamente 77% eram mulheres e 23%, homens, que estavam realizando exames de rotina. “Nosso levantamento tem o objetivo de reforçar a importância da prevenção e da avaliação periódica das funções da tireoide e do acompanhamento médico adequado e constante”, comenta a endocrinologista do Sérgio Franco e coordenadora da pesquisa, Dra. Rosita Fontes.

A tireoide é uma glândula endócrina que produz hormônios, cujos principais são o T3 ou triodotironina e, principalmente, o T4 ou tiroxina. Esses hormônios, em condições normais, são controlados por outro hormônio, o TSH ou hormônio estimulador da tireoide. “Assim, os níveis de todos os hormônios são mantidos dentro de uma faixa de valores considerada normal, e oscilações periódicas dentro dessa faixa são esperadas para que se mantenha o equilíbrio entre esses hormônios”, explica a Dra. Rosita Fontes. No entanto, quando há algum fator ou doença que leve ao desequilíbrio desse controle, esses hormônios se alteram. Como o TSH reflete melhor as disfunções tireoidianas, é ele o mais solicitado pelos médicos quando querem avaliar o funcionamento da tireoide.



A seguir, a especialista responde algumas dúvidas sobre diagnóstico e prevenção de distúrbios da tireoide.

1) Como é feita a prevenção das doenças relacionadas com a tireoide?

De diversas formas, como para prevenir o bócio endêmico, que ocorre em regiões com deficiência de iodo. Para essa prevenção, no Brasil, a lei determina que seja adicionado iodo ao sal de cozinha. No entanto, mesmo as doenças que não podem ser prevenidas, podem ser detectadas precocemente e tratadas antes que a pessoa apresente as manifestações clínicas.


2) Como é feito o diagnóstico de doenças da tireoide?

O diagnóstico da doença é feito pela história clínica (anamnese), exame físico realizado pelo médico e exames complementares específicos, quando necessário. Para avaliar se existe disfunção, os exames mais frequentemente solicitados pelo endocrinologista são o TSH, isoladamente ou junto com o T4 livre. Em alguns pacientes pode ser necessária a dosagem de anticorpos antireoidianos. Existem outros exames que estão disponíveis e são solicitados pelo médico em situações específicas.



3) Quais são os sintomas de doenças relacionadas com a tireoide?

Os sintomas no hipotireoidismo – em que a produção dos hormônios tireoidianos está diminuída – são desânimo; sonolência; a pessoa sentir mais frio do que as demais; diminuição da memória; câimbras; inchaço; anemia; colesterol alto; queda de cabelos; unhas fracas; pele seca e constipação intestinal, entre outros. No hipertireoidismo, ao contrário, ocorre o aumento da produção hormonal e o corpo funciona de forma acelerada. Isso se manifesta por meio de nervosismo; palpitações; pele quente e com sudorese; tremores das mãos; aumento do apetite com perda de peso e aumento das evacuações, entre outras características. Como esses sintomas e sinais podem ocorrer em ouras doenças, um endocrinologista deverá sempre ser consultado em caso de dúvida.


A tireoide pode também estar com seu volume aumentado e/ou apresentar um ou mais nódulos, mesmo que a função de produzir hormônios esteja normal.


4) Como é realizado o tratamento dessas doenças?

O tratamento do hipotireoidismo é feito com a reposição de hormônio tireoidiano, iniciando-se com doses pequenas até atingir determinada dose, que é individualizada.

O hipertireoidismo pode ser tratado com medicação que diminui a produção dos hormônios tireoidianos, iodo radioativo ou cirurgia. Os portadores de nódulos devem ser acompanhados periodicamente por meio de exames complementares (ultrassom, Doppler e/ou punção) e/ou submetidos a um procedimento cirúrgico para a retirada de toda a tireoide ou parte dela. A melhor conduta será orientada pelo médico após avaliação personalizada.



Hiper ou hipoglicemia?, clique aqui


Todo cuidado é pouco quando se fala em tireoide.

A Dra. Rosita alerta para a possibilidade de nem sempre as doenças da tireoide serem evidentes. “As manifestações clínicas variam de intensidade: podem ocorrer de forma exuberante, sendo facilmente identificadas, ou se apresentar sem ou com poucos sintomas. Principalmente nessa última situação, podem ser confundidas com outras doenças.”


A doença tireoidiana não tratada adequadamente pode provocar complicações e sequelas importantes no organismo. Por exemplo, no recém-nascido com hipotireoidismo, observam-se alterações permanentes, como grave retardamento mental, que não é revertido mesmo se o tratamento for instituído posteriormente. Por isso, o teste de triagem neonatal ou o teste do pezinho é feito nos primeiros dias após o nascimento. Nas crianças, a alteração da função tireoidiana pode comprometer o crescimento e o rendimento escolar e, nos adultos, as alterações são as já mencionadas. Quanto aos nódulos, a conduta dependerá do resultado dos exames mencionados e analisados pelo endocrinologista.



Faça seu Índice de Massa Corporal, IMC (clique aqui)



Veja mais sobre TIREOIDE E SAÚDE em nossas coluna de:

1) Endocrinologia e Saúde com Dr. Filippo Pedrinola





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas