Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

04/11/2014
Como lidar com crianças com dificuldades de alimentação?

Chegada a hora do almoço, começa a batalha entre pais e filhos. Depois de broncas, ameaças, choros e manhas, alguns adultos se dão por vencidos e acabam deixando que a própria criança decida o que vai comer ou até se vai comer. O tormento se inicia, geralmente, a partir dos dois anos. Com o início da fase de autonomia da criança, quando ela passa da alimentação infantil para uma mais adulta é que os problemas começam. É comum escutar dos pais que quando o filho era bebê comia de tudo, mas que depois de algum tempo começou a apresentar menor interesse pela comida e frequentes oscilações na preferência e aceitação dos alimentos.



Chamadas de picky eaters (termo que pode ser traduzido como “comedores seletivos”), essas crianças têm um comportamento alimentar que pode variar de excluir determinados grupos de alimentos (como verduras, legumes ou peixe, por exemplo) a pular refeições, ou, simplesmente, comer muito pouco. O problema é mais comum do que parece, 50% das crianças na faixa dos dois a cinco anos podem ser consideradas picky eaters. Apesar de passageiro, o problema gera transtornos no relacionamento familiar, além de afetar o progresso cognitivo e comprometer o desenvolvimento e o crescimento natural das crianças. Algumas adotam esse comportamento de maneira exacerbada e apresentam baixo peso, falta de atenção, desenvolvimento lento no aprendizado, deficiência de nutrientes como ferro, vitaminas e sais minerais.

Diante deste cenário, surge uma pergunta: como lidar com uma criança com dificuldade de alimentação? O primeiro passo é buscar orientação profissional. O pediatra ou o nutricionista sabem como identificar o quanto o problema está afetando a criança e qual caminho seguir para adequar a alimentação. O tratamento oferecido deve incluir orientações nutricionais, comportamentais e psicológicas, não só para a criança, mas também para os pais e irmãos. Muitas vezes as divergências na hora da comida causam ruídos no relacionamento entre pais e filhos e podem até interferir na relação do casal, além disso, os hábitos da família têm enorme peso nas decisões da criança, por isso esse tratamento multidisciplinar e extensivo é importante.

Em muitos casos, o uso de suplementos nutricionais se faz necessário. No entanto, vale a pena prestar atenção no tipo de produto a ser escolhido. Existe disponível no mercado uma gama quase que infinita de alimentos voltados para crianças, mas nem todos possuem fórmula balanceada e equilibrada, principalmente no que diz respeito à distribuição calórica. Os suplementos nutricionais verdadeiros são uma alternativa de incrementar a dieta infantil e evitar que a criança fique em risco nutricional enquanto passa pelo processo de adaptação a uma dieta mais saudável. Os bons suplementos são diluídos em água, não interferem no aumento de peso da criança normal, não têm como objetivo abrir o apetite, nem substituir refeições. Os suplementos devem contribuir para equilíbrio da alimentação natural.

Por outro lado, lançar mão de algumas estratégias para despertar o interesse dos pequenos pela comida pode acalmar os ânimos à mesa. Apostar em preparações mais atrativas para a criança pode ser uma boa dica. Apresentar pratos coloridos, fazer carinhas com a comida e oferecer o alimento rejeitado pelo menos dez vezes, em refeições e com apresentações diferentes (modo de preparo: cozido, frito, assado, purê). Brincar com o alimento, mas não brincar com a alimentação. Isto é, não distrair, não enganar, não forçar, não castigar ou premiar. O famoso aviãozinho, por exemplo, está fora de cogitação, pois é uma maneira de enganar, distrair a criança. A criança precisa se concentrar na atividade da refeição, sentir o sabor dos alimentos e entender a sensação de fome e de saciedade. Com uma distração, que pode ser a TV também, a criança, e qualquer pessoa, come automaticamente. Às vezes, pode comer mais do que o suficiente para saciar sua fome. É muito importante que os pais imponham limites aos filhos – horários para as refeições, locais apropriados, ritmo de alimentação sem exageros na duração.




* Por Dr. Mauro Fisberg, Colunista de Nutrição e Pediatria do Portal Sentir Bem (clique aqui para ler mais). Também é coordenador clínico e Professor Associado do Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente, departamento de Pediatria da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo).





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas