Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

27/03/2015
Como e quando obter uma segunda opinião antes de se submeter a uma cirurgia da coluna?

É comum ouvir que ninguém deve se submeter a uma cirurgia de coluna sem antes ouvir uma segunda opinião de outro médico. À primeira vista, este conselho pode soar bem, tal como um ditado popular: duas opiniões são melhores do que uma....
No entanto, existe uma armadilha nesta linha de pensamento. Geralmente, quando um paciente busca um médico para uma segunda opinião, o parecer seguinte tem a tendência de sempre soar melhor que o primeiro parecer. Este é um fenômeno bem conhecido, mas na realidade, a segunda opinião pode não ser a melhor.



Quando a considerar uma segunda opinião
Para o neurocirurgião Eduardo Iunes, especialista em coluna, (CRM-SP 119.864), é muito comum que o paciente se sinta inseguro diante da necessidade de ter que se submeter a uma cirurgia de coluna. “Então, a questão é quando ele deve buscar uma outra opinião. A seguir, relaciono algumas dicas, baseadas na minha experiência clínica, que podem ajudar o paciente neste processo”, diz o médico.



Quando buscar uma segunda opinião
1) Se o paciente não está confortável com o diagnóstico, o atendimento ou a indicação cirúrgica do primeiro médico, por qualquer razão, ouvir outro cirurgião para obter uma segunda opinião é uma boa ideia;

2) Se o cirurgião não respondeu a todas as perguntas do paciente sobre a razão do procedimento proposto ou se suas respostas foram vagas, outra opinião é uma boa ideia;

3) Se os objetivos pessoais do paciente são diferentes dos objetivos do cirurgião: por exemplo, se o paciente realmente quer evitar a cirurgia para tratar a sua dor e o cirurgião diz que a operação é a única opção terapêutica;

4) Também é aconselhável contar com uma segunda opinião se o paciente já passou por outra cirurgia anterior que não funcionou e/ou se outra cirurgia está sendo proposta, após a primeira, que é indicada agora. Este conselho é especialmente verdadeiro se a cirurgia em questão for uma fusão da coluna vertebral. Muitas vezes, quando a cirurgia de fusão inicial não funciona, a cirurgia seguinte pode também não ser útil. Só em circunstâncias muito específicas (ou seja, pseudoartrose) é que a cirurgia adicional pode ser benéfica;

5) Há casos em que o próprio cirurgião irá solicitar ao paciente que ele obtenha um laudo de outro especialista, antes de prosseguir com a cirurgia. Nestes casos, muitas vezes, é melhor deixar que o cirurgião escolha o profissional com quem o paciente deve colher a segunda opinião porque ele está mais apto a determinar qual parecer médico deve ser levado em conta no momento;

6) A escolha de um cirurgião para uma segunda opinião é sempre difícil. O objetivo é obter uma opinião de um profissional especializado, experiente e ético. Embora não seja perfeito, o “boca a boca” ainda é útil no processo de escolha da segunda opinião.


A conversa com o “segundo cirurgião”

“O lado positivo do paciente procurar outra opinião cirúrgica é o fato dele manter a mente aberta. O paciente precisa ser tão crítico em relação à segunda opinião quanto foi quando recebeu a primeira, precisa fazer as mesmas perguntas para os dois profissionais”, recomenda o médico.

O paciente, ao conversar com o cirurgião, deve procurar saber:

1) Qual é a experiência do cirurgião no tipo específico de cirurgia a qual o paciente se submeterá;
2) Como foram os resultados passados do cirurgião em relação a este tipo de cirurgia;
3) Quais são as alternativas para o procedimento proposto;
4) Qual o prognóstico natural da doença, caso o paciente opte por não fazer a cirurgia de coluna;
5) Quais são os riscos e possíveis complicações do procedimento;
6) O que pode ser feito se a cirurgia não funcionar, ou seja, qual seria o próximo passo do tratamento.



Como regra geral, é importante que o paciente seja muito cauteloso em relação à segunda opinião de cirurgiões que:
1) “Pintam um cenário muito bom para ser verdade”, pois não existem curas mágicas, nem cirurgias indolores;

2) Suscitem muitas expectativas irreais;

3) São excessivamente dependentes "de tecnologias de ponta”.


“Como conselho final, a pior coisa a fazer é assumir a segunda opinião automaticamente como melhor que a primeira. O paciente deve parar e refletir. Mantendo a mente aberta, ele vai evitar a queda em armadilhas de julgamento. E se após ouvir duas opiniões, o paciente ainda ficar em dúvida, o ideal é buscar uma terceira opinião. O paciente não deve operar sem ter a certeza absoluta de que a cirurgia será a melhor opção terapêutica para ele”, diz o neurocirurgião.




Veja mais sobre SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA em nossas colunas de:

1) Cardiologia do Esporte com Dr. Nabil Ghorayeb

2) Em forma com Pilates com Profa. Danielle Rotondo

3) Dicas de Atividade Física, com José Carlos Altieri

4) Corrida, com Emerson Vilela

5) Qualidade de Vida, com Profa. Priscilla de Arruda Camargo

6) Cuide da Saúde com Exercícios, com Prof. Dr. Marco Uchida

7) Ortopedia e Saúde com Dr. Roberto Ranzini

8) Saúde Feminina com Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão

9) Neurologia e Saúde com Prof. Dr. Paulo Caramelli

10) A Gestante na Sua Melhor Forma, com Profa. Ms. Gizele Monteiro

11) Atividade Física e Musculação com Prof. Amauri Altieri

12) Aparelho Digestivo e Saúde com Dr. Sidney Klajner

13) Mais Consciência, com Vania Bueno







Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas