Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

02/07/2007
Até quando é possível adiar a maternidade?

A pergunta não tem uma única resposta, mas é importante considerar que a idade é um dos fatores determinantes da fertilidade feminina

O adiamento da gravidez é uma escolha muito comum das mulheres, nos dias de hoje. O número de grávidas ou mulheres tentando engravidar na faixa entre 30 e 40 anos tem aumentado nos últimos anos. Pelo menos 20% das mulheres aguardam até os 35 anos para iniciar uma nova família. “São muitos os fatores envolvidos na decisão de adiar a maternidade: a estabilidade profissional, a espera por um relacionamento estável, o desejo de atingir segurança financeira, ou, ainda, a incerteza sobre o desejo de ser mãe. Entretanto, é importante alertar estas mulheres sobre as conseqüências desta decisão: a idade pode afetar sua capacidade de conceber”, afirma o especialista em Reprodução Humana, Joji Ueno (CRM-SP 48.486). É também importante informá-las sobre os tratamentos disponíveis que podem ajudá-las a engravidar, quando elas decidirem que o melhor momento chegou.

40 anos

A queda na fertilidade com o avanço da idade é um fato biológico. Estima-se que a chance de gravidez por mês é de aproximadamente 20% nas mulheres abaixo de 30 anos, mas de apenas 5% nas mulheres acima dos 40. Mesmo com os tratamentos para infertilidade, como a fertilização in vitro, a fertilidade diminui e as chances de um aborto espontâneo aumentam após os 40. “Há várias explicações para esse declínio de fertilidade: condições médicas, mudanças na função ovariana e alterações na liberação dos óvulos pelos ovários”, afirma Joji Ueno.

A mulher de 40 anos também tem mais chances de apresentar problemas ginecológicos, como infecções pélvicas e endometriose, que podem diminuir a fertilidade. Exames de fertilidade, como a histerosalpingografia ou a laparoscopia, podem ser requisitados para diagnosticar algumas dessas condições. Embora a maioria dos especialistas em infertilidade recomende que os casais tentem a gravidez por pelo menos 1 ano antes de realizarem de fertilidade, mulheres acima dos 40 anos podem realizar esses exames a qualquer momento.

Alterações nos ovários

“Devido a algumas doenças que podem causar a infertilidade em casais acima de 40 anos, a queda nas chances de engravidar é mais freqüente devido às mudanças naturais que ocorrem nos ovários da mulher”, explica Joji Ueno. O hipotálamo e a hipófise, glândulas localizadas no cérebro, coordenam os processos que levam à ovulação e à menstruação regular. O hipotálamo estimula a hipófise a liberar o hormônio folículo-estimulante (FSH) e o hormônio luteinizante (LH). Esses hormônios são secretados na corrente sanguínea e controlam o crescimento dos óvulos (oócitos) e a produção do hormônio feminino, estrógeno, pelos ovários. “A maioria das mulheres têm aproximadamente 300.000 óvulos em seus ovários na puberdade. Para cada óvulo que amadurece e é liberado (ovulado) durante o ciclo menstrual, pelo menos 500 a 1000 não amadurecem totalmente e são reabsorvidos pelo corpo”, explica o médico.

Quando a mulher atinge a menopausa, que normalmente ocorre entre os 40 e os 56 anos de idade, há apenas alguns óvulos remanescentes. Esses óvulos restantes geralmente não respondem bem às secreções de FSH e LH da hipófise e os níveis desses hormônios na corrente sanguínea aumentam no intuito de estimular os ovários. Um nível elevado de FSH no sangue no terceiro dia do ciclo menstrual sugere que o ovário não está respondendo normalmente aos sinais da hipófise. “Essa falta de resposta ovariana é uma evidência indireta de baixa qualidade do óvulo. A diminuição da resposta do ovário ao FSH e LH da hipófise resulta em uma baixa no estrógeno e na progesterona produzidos pelo ovário”, explica o médico, que coordena do curso de Especialização em Medicina Reprodutiva, ministrado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Aos poucos, o ciclo menstrual vai se tornando menor e, eventualmente, os ovários podem não liberar um óvulo, resultando em um ciclo sem ovulação. “Além disso, os hormônios - estrógeno e progesterona - são críticos para o desenvolvimento normal do endométrio, onde o embrião deve se fixar para se desenvolver. Uma redução nos hormônios dos ovários, que acontece com a idade, também contribui para diminuir as chances de gravidez”, conclui.

Riscos

À medida em que a mulher envelhece, os óvulos remanescentes também envelhecem, tornando-se menos capazes de serem fertilizados pelos espermatozóides. “Outro fator a ser ponderado é que a fertilização desses óvulos está associada a um risco maior de alterações genéticas. Por exemplo, alterações cromossômicas, como a Síndrome de Down, são mais comuns em crianças nascidas de mulheres mais velhas. Há um aumento contínuo no risco desses problemas cromossômicos conforme a mulher envelhece”, afirma Joji Ueno. Quando os óvulos com problemas cromossômicos são fertilizados, eles têm uma possibilidade menor de sobreviver e crescer. Por essa razão, mulheres que estão acima dos 40 têm um risco aumentado de abortos espontâneos também.

As taxas menores de gravidez em mulheres acima de 40 são, em grande parte, devidas ao aumento de óvulos com problemas cromossômicos. “Já quando os óvulos são coletados em mulheres de 20 a 30 anos, fertilizados e colocados no útero de uma mulher com mais de 40, a chance de gravidez na mulher mais velha é muito maior do que ela poderia esperar se tivesse utilizado seus próprios óvulos”, explica o médico. O sucesso no emprego das técnicas de doação de óvulos confirma que a qualidade do óvulo é uma barreira fundamental à gravidez nas mulheres mais velhas. “Embora a idade, hoje, não se constitua numa barreira intransponível à gravidez, qualquer tratamento de infertilidade, exceto a doação de óvulos, terá menos sucesso em mulheres acima de 40 anos”, diz Joji Ueno.

Acompanhamento médico

Quando uma mulher com a idade mais avançada decide engravidar, é importante que ela procure o aconselhamento médico. Se o médico identificar qualquer problema físico que possa afetar suas chances de engravidar, ou se ela estiver tentando conceber por mais de 6/12 meses, ela pode procurar um especialista de infertilidade. Como as chances de gravidez diminuem com a idade é recomendado que todos os exames necessários para verificar a fertilidade desta mulher sejam prontamente realizados. “A maioria dos exames de infertilidade podem ser realizados em 1 a 3 meses e o tratamento apropriado pode ser iniciado imediatamente após a avaliação do especialista”, diz Joji Ueno.

Para complementar os exames usuais, o especialista de infertilidade pode sugerir um exame de sangue para verificar os níveis de FSH e/ou estradiol no início do ciclo menstrual. Os níveis desses hormônios podem sugerir se os ovários estão se tornando menos sensíveis aos hormônios (FSH e LH) que induzem a ovulação. “Isto porque, embora as taxas de gravidez sejam menores nas mulheres acima de 40 anos, mulheres com altos níveis de FSH e/ou estradiol no início do ciclo menstrual, independente da idade, também têm uma chance menor de engravidar”, explica o médico.

Uma vez realizados os exames necessários e se a causa para a infertilidade for diagnosticada, o médico pode discutir com a paciente os tratamentos possíveis. Atualmente, o tratamento da infertilidade encontra muitas opções terapêuticas no Brasil. Se uma causa específica de infertilidade for identificada, o médico pode sugerir um tratamento específico. Muitas vezes a gravidez é obtida com condutas mais simples que a reprodução assistida. Entretanto, algumas vezes nenhum problema específico é identificado por meio dos exames e a infertilidade é inexplicada. “Na presença de infertilidade inexplicada ou quando os tratamentos convencionais fracassam, tratamentos avançados de infertilidade, tais como a superovulação com inseminação intra-uterina programada (SO-IUI) ou a fertilização in vitro (FIV) podem ser sugeridos, informando à paciente que, assim como em qualquer outro tratamento, a idade afeta as chances de gravidez”, diz Joji Ueno.

Mulheres portadoras de doenças crônicas, tais como pressão alta e diabetes, também merecem atenção especial e aconselhamento do obstetra ou neonatologista, antes de tentar a gravidez. “Estes profissionais podem fornecer informações quanto ao curso da gravidez para uma mulher com tal condição médica. É importante que essas doenças estejam bem controladas antes da tentativa de engravidar”, ressalta o especialista em Reprodução Humana. Mesmo sem apresentar pressão alta e diabetes pré-existentes, essa condições se desenvolvem mais comumente em mulheres que concebem após os 35 anos. Como resultado desse risco aumentado, exames e monitoramento especiais podem ser recomendados durante a gravidez.

SERVIÇO:

Clínica GERA
Rua Peixoto de Gomide, 515 - Conjuntos 11 e 12
São Paulo- SP - Atendimento: de segunda a sexta-feira
Horário: entre 09:00 e 19:00
Telefone: (11) 3266 7974
Homepage: www.gerasp.com.br
E-mail: gera@gerasp.com.br





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas