Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

17/03/2008
Mau-hálito? Nem pensar!

Não deixe a halitose atrapalhar sua vida

88% dos brasileiros consideram que a halitose provocou problemas em algum momento de suas vidas

Nada mais embaraçoso do que estar em reunião com o chefe, com um cliente ou um futuro parceiro de negócios e sentir que a pessoa sofre de halitose. Além da dificuldade para manter o diálogo e a atenção, aparece a dúvida "devo ou não falar sobre o assunto"? O problema pode gerar outras situações como a frustração do profissional, que se dedica às suas atividades, mas não consegue bons resultados, ou grandes dificuldades no desenvolvimento de um projeto que renderia uma promoção ou mesmo na contratação da pessoa que se candidata a um cargo em uma nova empresa.

"Os prejuízos psicossociais como insegurança ao se aproximar das pessoas, depressão secundária, dificuldade em estabelecer relações, resistência ao sorriso, ansiedade e baixo desempenho profissional são notados nos pacientes", conta a Dra.Carla Renata Sarni, cirurgiã traumatologista e fundadora do Grupo Sorridents - uma das maiores redes de franquias de clínicas de odontologia do país. Carla ainda diz que "de acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas dos Odores da Boca (ABPO), 88% dos pesquisados considera que a halitose tenha provocado mudanças em sua vida. 36% no âmbito social, 30% afetivo e/ou 31% profissional. Eles acreditam que a halitose os tenha tornado retraído (23%), inseguro (26%), com baixa auto-estima (14%), anti-sociais (14%), tristes (10%), deprimidos (5%) e/ou extremamente triste (3%)", conta.

De acordo com a Dra.Carla, a causa mais comum do mau hálito é a higiene oral deficiente e conseqüente formação de saburra lingual e placas dentárias. "A higienização precária da língua (levando à formação de saburra), reentrâncias retentoras de alimentos, cáries, substâncias plásticas usadas na confecção de dentaduras e pontes (por infiltração de líquidos bucais), são outros causadores do problema", afirma Sarni. Tabagismo, doenças febris, deficiência de vitamina A e D, intestino preso e estresse também são fontes de mau cheiro, assim como as próteses mal adaptadas e as restaurações defeituosas.

Segundo a profissional, o diagnóstico para halitose é simples e elaborado de acordo com a história clínica e constatação do mau cheiro característico. A investigação inicial inclui o exame detalhado da boca, da língua e da parte dentária, em busca de sinais de higienização precária, gengivites e periodontite, além da saburra lingual. Além disso, existem métodos complementares que auxiliam este diagnóstico, como a sialometria (medida do fluxo salivar) e a halímetria. "Uma boa opção para acabar com a halitose é um tratamento desenvolvido no Grupo Sorrident s para aumento da salivação", explica Carla. O tratamento consiste em sessões de jatos de laser que estimulam a produção de saliva e conseqüente diminuição do mau hálito.

De acordo com a especialista é interessante, no entanto, que as pessoas saibam como prevenir este problema bucal. A doutora explica que se deve ter cuidado com a alimentação e, principalmente, com a higiene bucal. No caso de tendência ao mau hálito, deve-se evitar carne gordurosa, fritura, repolho, brócolis, couve-flor, alho, cebola. "Dê preferência ao leite desnatado e ao queijo branco ou ricota, evite bebidas alcoólicas, fumo e medicamentos com cheiro acentuado", avalia. A alimentação rica em cenoura, maçã e outros alimentos fibrosos auxilia na promoção de uma limpeza total na parte dos dentes, na linha das gengivas. Além disso, uma boa freqüência de ingestão de água e de alimento que contenha algum carboidrato também é muito importante.

A higiene bucal e lingual deve ser caprichada. Os dentes devem ser bem escovados, sempre que necessário, principalmente após cada refeição. A língua deve ser limpa com raspadores específicos, a cada escovação de dentes, para a eliminação da saburra. O uso de fio dental e a realização de bochechos (com uma pitada de bicarbonato de sódio ou anti-sépticos bucais) melhoram significativamente este problema. As consultas periódicas ao dentista são essenciais, principalmente para uma higienização mais profissional, única forma de remover a placa bacteriana ou o acúmulo de tártaro na região inferior dos dentes.

Algumas dicas interessantes são:

- Usar fio dental diariamente;
- Escovar os dentes corretamente, sempre que finalizar alimentação;
- Beber pelo menos 2,5 litros de água ao longo do dia;
- Comer de três em três horas;
- Não utilizar soluções alcoólicas ao realizar um bochecho;
- Não fumar;
- Restringir o uso de bebidas com cafeína como café, mate, refrigerante sabor cola, etc.





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas