Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

13/08/2010
Novas soluções ajudam no tratamento de hemangiomas

Uma doença que, até há alguns anos, pouco preocupava médicos e especialistas, está chamando a atenção e contando com o desenvolvimento de novos tratamentos e cuidados. Caracterizado por um tumor benigno dos vasos sanguíneos, o hemangioma é frequente em crianças (de três a cinco casos a cada cem nascimentos) e foi tratado, por muito tempo, como um problema de efeito passageiro, que desaparecia em pouco tempo. Entretanto, as sequelas, muitas vezes deixadas pela doença, motivaram o desenvolvimento de técnicas para remover ou minimizar os danos na vida adulta.

De acordo com o oncologista Marciano Anghinoni, do Centro de Oncologia do Paraná, a principal dificuldade para a definição da gravidade da doença é o fato de ela não ter um local específico. “Temos vasos sanguíneos por todo o corpo”, diz o médico, “dessa forma, a doença também pode estar presente em qualquer vaso”. Para ele, a gravidade do hemangioma depende, especialmente, de dois fatores: a localização e o tamanho do tumor – e como a doença pode atingir qualquer órgão, inclusive os músculos e ossos. Com isso os efeitos realmente não devem ser desconsiderados. Se não tratados de maneira correta, em tempo, os tumores podem deixar deformidades permanentes.

Os hemangiomas de pele são facilmente detectáveis com um exame físico do médico. Eles são manchas avermelhadas, elevadas ou planas, conhecidas como “manchas de nascença”. De acordo com o médico, as manchas não são dolorosas e atingem, principalmente, a região da cabeça e do pescoço. Já os hemangiomas internos causam sintomas variados, que dependem do órgão onde estão localizados. Sua descoberta é feita por meio de exames específicos. Anghinoni explica que o tumor pode se manifestar como uma dor abdominal, dificuldade para respirar, ou um comprometimento da visão, por exemplo, dependendo de qual for o seu local e tamanho.

Mesmo não sendo considerado uma forma de câncer, por se tratar de um tumor benigno, o hemangioma oferece riscos, caso não tratado na infância. Apesar disso, a transformação para um tumor maligno pode ocorrer, embora isso seja raro. Anghinoni explica que, há algum tempo, a recomendação médica era de “observar e esperar”. Hoje, essa postura diante da doença mudou e existem tratamentos, como a remoção cirúrgica do tumor, tratamento a laser, medicamentos, e a embolização, que é a obstrução dos vasos sanguíneos que nutrem o tumor.

Convivendo com a doença

Apesar de ser uma doença frequente na infância, o hemangioma não acontece exclusivamente em crianças. A terapeuta holística Lucila Specian, de 27 anos, descobriu o tumor em sua perna direita aos 19, quando sentiu dores após apoiar peso sobre a coxa. Procurando uma resposta para seu caso, recebeu diversos diagnósticos errados – incluindo alguns de tumores malignos – antes de confirmar o hemangioma.

Em sua vida cotidiana, teve de substituir alguns hobbys, como a dança e os exercícios físicos de impacto, por opções mais amenas. “Não me curei do hemangioma, pois, além de ser um tipo raro da doença, ele se desenvolveu em volta da minha safena e preferi não extraí-lo por medo de que apareça outro no mesmo local”, diz Lucila. Apesar disso, ela afirma que os tratamentos têm evoluído, com novos medicamentos e técnicas experimentais de sucesso. A terapeuta diz ainda que, por possuir um tipo raro de tumor, ela descobriu muito sobre a doença junto a seu médico vascular e seu oncologista, que sempre a alertaram sobre os riscos de sua condição.

O médico Marciano Anghinoni diz que a doença tem uma grande amplitude e que casos como o de Lucila são possíveis, ainda que em menor incidência do que em crianças. “Poderíamos falar sobre a doença por vinte páginas e ainda seria pouco para explicar o hemangioma” diz o oncologista. O que se sabe sobre o assunto, é que ele é levado mais à sério que antigamente. Muitos tumores desse tipo pequenos em adultos, que não provocam sintomas podem ser somente acompanhados, mas a conduta de antigamente, de apenas observar e esperar, para quase todos os hemangiomas, principalmente os da infância, definitivamente não é a melhor solução.

Veja mais sobre o assunto em nossas colunas de Urologia e Saúde com Dr. Antonio Otero Gil





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas