Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

18/09/2010
Estresse, ansiedade ou nervosismo: diferença está na intensidade

O trânsito está ruim, o carro quebrou, o ar está seco, o trabalho é cada vez mais difícil e os problemas familiares são muito complicados. Quem nunca passou por situações como essas? É estresse, ansiedade ou apenas nervosismo? De acordo com o médico homeopata Yechiel Moises Chencinski, todos estão propensos a passar por momentos como esses, e é preciso atenção para diferenciar cada condição.

"Embora cientificamente sejam parecidos, podemos dizer que esses estados psicológicos recebem denominações de acordo com o grau de intensidade", considera. "Quando um indivíduo passa por uma fase aguda de ansiedade e esgotamento, por exemplo, ele vivencia o estresse", explica.

Segundo o médico, ansiedade é uma reação-base normal do organismo, responsável por adaptar o corpo a uma situação nova, em maior ou menor intensidade. Quando em um grau elevado, no entanto, essa ansiedade prejudica a capacidade de adequação e uma das consequências é, também, o estado nervoso agudo.

"Cada pessoa responde de uma forma própria e individual para cada tipo de estímulo e, às vezes, a mesma pessoa reage de maneiras diferentes mesmo em circunstâncias semelhantes. Por isso, é difícil rotular os sintomas", aponta o médico. "Nervosismo, angústia, tristeza, depressão, ansiedade, estresse, decepção. Cada uma dessas manifestações tem características específicas", ressalta.

Tratamento é importante para controlar os sintomas

Para o especialista, apesar das reações diferentes, o caminho para resolver os conflitos deve ser sempre o mesmo: procurar um profissional de saúde. "Médicos e psicólogos estão aptos a diagnosticar o problema e, assim, indicar a forma mais adequada de contornar essas situações e retomar o estado de harmonia e equilíbrio", recomenda.

"Uma das maneiras indicadas para controlar estados ansiosos são os medicamentos homeopáticos", indica. "Esses tratamentos são muito eficazes principalmente quando atuam na esfera psicológica. Eles não possuem contraindicações e não causam reações adversas", acredita.

Segundo o Dr. Chencinski, as pessoas estão predispostas a passar por situações desagradáveis, vez ou outra, e apenas é possível minimizar as reações em busca de uma estabilidade psicológica. "O mundo não é perfeito e, sendo assim, seria impossível estarmos sempre em total equilíbrio emocional", acredita.

Dez passos em busca da harmonia

1. Se alimentar corretamente
2. Manter o corpo hidratado
3. Praticar atividades físicas regularmente
4. Manter o equilíbrio espiritual e relaxar (meditação, ioga, respiração entre outros)
5. Trabalhar naquilo que gosta e em ambiente físico e emocionalmente saudável
6. Ter tempo para o lazer (cinema, teatro, leitura, passeios, viagens)
7. Preservar o vínculo familiar e as amizades
8. Ir a consultas médicas preventivas regulares (homeopatia, acupuntura, alopatia, fitoterapia)
9. Dedicar um tempo a não fazer nada (de vez em quando, é muito legal não fazermos nada, intencionalmente)
10. Estar de bem com a vida





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas