Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

28/01/2011
Emendar cartelas de pílulas anticoncepcionais

Utilizada para inibir a fertilidade da mulher, a pílula anticoncepcional também regula a menstruação, entre outros benefícios. Normalmente, é utilizada durante três semanas havendo um intervalo de sete dias, no qual ocorre a menstruação. Se a mulher quiser, pode emendar as cartelas para não menstruar, mas isso só deve ser feito esporadicamente.

De acordo com o ginecologista, André de Paula Branco, a maioria dos contraceptivos orais, utilizados hoje em dia, combinam os hormônios estrogênio e progesterona. “Esses medicamentos são programados para serem interrompidos, ou seja, receberem o intervalo. Se uma mulher decide emendar as cartelas vai ingerir uma dose elevada dos hormônios”, garante Branco. “Se isso for feito continuadamente pode ocasionar sérios problemas no organismo”, explica.

Segundo o especialista, o excesso de estrogênio causa consequências, como: pressão alta, alterações venosas, problemas de coagulação no sangue e até aumentar o risco de desenvolver mioma uterino e câncer de mama.

No entanto, não há motivos para se preocupar: é possível, sim, emendar as cartelas de anticoncepcional e evitar o desconforto da menstruação quando necessário. “Uma vez ou outra não é proibido”, confirma Branco.

Embora o assunto ainda seja polêmico entre os ginecologistas, existem opções de contraceptivos exclusivamente à base de progesterona que inibem completamente a menstruação durante o seu uso. “Isso porque o útero não realiza a formação do sangue menstrual. Portanto, a crença de que o sangue se acumula, quando a menstruação é impedida, é totalmente equivocada”, esclarece o especialista.

Ao decidir emendar uma cartela a mulher deve entender que o seu ciclo menstrual poderá ficar desregulado. “Alterações na intensidade do fluxo e na data da próxima menstruação podem ocorrer”, explica Branco.

Atualmente, menstruar ou não é uma opção que já está ao alcance das mulheres. Entretanto, é de extrema importância que o médico ginecologista seja consultado, pois só ele poderá afirmar o que é melhor para cada paciente.

Veja mais sobre o assunto em nossas colunas de Ginecologia e Saúde com Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas