Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

28/01/2011
Remédios sem controle e perda da audição

O uso prolongado, em altas doses, de quase 60 remédios, pode provocar tonteira, zumbido e até surdez. Entre as substâncias que mais podem causar problemas de audição estão, por exemplo, o salicilato de sódio - comum em remédios para inflamação e dor, diuréticos e anticoagulantes. Por isso, os médicos alertam para os riscos da automedicação. As substâncias conhecidas como ototóxicas, presentes em muitos remédios, podem causar lesões graves - e muitas vezes irreversíveis - à cóclea, a parte do ouvido humano responsável pela audição.

Embora nem sempre possam ser evitados, os remédios ototóxicos devem ser ingeridos com conhecimento médico para evitar problemas. O ideal é que, antes do tratamento, sejam feitos exames para verificar se já existe alguma lesão que possa se agravar com o uso do remédio.

Os quimioterápicos, usados no tratamento de câncer, e os antibióticos da família dos aminoglicosídeos, usados na prevenção e no tratamento de infecções pós-operatórias, são outros exemplos de remédios que podem acarretar danos irreversíveis à audição. É um dilema enfrentado pelos médicos. Bebês prematuros também correm riscos, já que precisam tomar antibióticos para combater determinadas infecções respiratórias.

Os recém-nascidos com baixo peso são muito expostos a infecções e precisam desses remédios, mas é preciso atenção. Hoje o teste da orelhinha é uma avaliação obrigatória, realizada nos hospitais, logo após o nascimento, para saber se existe alguma perda auditiva. A situação é ainda pior para aqueles bebês que precisam passar um bom tempo na incubadora, porque, além dos remédios, eles são prejudicados pelo barulho nas incubadoras, que pode chegar a até 100 decibéis.

Os efeitos da ototoxidade dos remédios são amplos e atingem indivíduos de todas as idades. Nos ouvidos, esses medicamentos causam uma perda neurossensorial, temporária ou definitiva, de grau variado (de leve à profunda), de acordo com o remédio, a dose ingerida e o tempo de tratamento.

"Aconselho a quem tem alguma dificuldade auditiva que procure um especialista o mais rápido possível. A perda de audição pode ter muitas causas e precisa ser investigada para que se encontre a melhor solução", esclarece a fonoaudióloga Isabela Gomes.

A partir do resultado de testes como o de audiometria, será indicado o tratamento mais adequado. Muitas vezes, o uso de aparelho auditivo resolve o problema.

"Não há demérito algum em usar uma prótese auditiva. Atualmente existem aparelhos modernos, com tecnologia digital, pequenos e quase imperceptíveis, que não ofendem a vaidade de quem usa. O aparelho contribui para melhorar a auto-estima e a qualidade de vida do deficiente auditivo", conclui a fonoaudióloga Isabela Gomes.

Veja mais em nossa Coluna Otorrino e Saúde com Dr. Mauricio Kurc





Mais Matérias

Veja mais

26/09/2016 - Convulsão: doença ou sintoma?


16/05/2016 - 10 motivos para cuidar de seus pés


16/05/2016 - Falta de Vitamina D afeta a fertilidade!


29/03/2016 - Perda de audição pode começar logo na infância!


29/03/2016 - Quando o cansaço pode acusar que a saúde não vai bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas