Saúde
Colunistas
Artigos dos colunistas      Teste do Cochilo      Teste Saúde Digestiva      Entrevistas      Descubra seu tipo de Relacionamento

05/02/2012
Como identificar falsos nódulos da tireoide?

A corrida pela busca de nódulos da tireoide aumentou bastante nos últimos anos, já que a tecnologia viabilizou equipamentos capazes de mostrar lesões menores, antes inacessíveis. Em contraposição ao considerável ganho de qualidade das imagens, a evolução tecnológica também resultou em problemas atípicos, como o descobrimento de falsos nódulos e a exagerada importância dada a eles.

“É importante aprofundar o assunto e deixar claro para a população o que é preocupante em um nódulo tireoidiano. Em primeiro lugar, observamos sua natureza. Se o nódulo for sólido, aumenta ainda mais a sua celularidade – que se refere à quantidade e à qualidade das células presentes na medula óssea. Mas uma só característica é insuficiente para predizer o risco de malignidade. Então, levamos em consideração a ecogenicidade – capacidade do tecido ou órgão deixar passar as ondas do ultrassom. Os nódulos hipoecogênicos têm maior celularidade. Ou seja, quanto mais hipoecogênico for o nódulo, maior será o risco de ele ser maligno”, diz Osmar Saito, médico radiologista, em São Paulo.

Saito afirma que contornos irregulares ou com projeções radiais também apontam pior prognóstico da lesão. “Apesar de haver opiniões divergentes em relação ao tamanho, o consenso é de que nódulos maiores do que um centímetro deverão ser investigados. Em geral, os menores dificilmente são malignos. Mas, como para toda regra existe uma exceção, se os nódulos menores do que um centímetro são sólidos, hipoecogênicos e têm contornos irregulares, deverão ser submetidos a uma punção aspirativa por agulha fina (PAAF)”.

Com relação às calcificações, o radiologista explica: “Nódulos com microcalcificações menores do que dois milímetros são altamente suspeitos. Já as macrocalcificações estão relacionadas a nódulos benignos. Caso haja a calcificação total do nódulo, o risco de malignidade será ainda menor”.

Como identificar um tumor maligno da tireoide?

De acordo com Osmar Saito, o ultrassom com doppler da tireoide vem sendo bastante utilizado no estudo dos nódulos. Mas, como nem toda clínica conta com profissionais bem preparados e treinados para a precisa interpretação das imagens, muitas vezes o exame acaba não ajudando muito no diagnóstico.

Na opinião do radiologista, o encontro de vasos centrais, principalmente quando ocorrem de forma exclusiva, aumenta o risco de a lesão ser maligna. “Somente o mapeamento em cores não basta. Para identificar o risco, vale a regra do conjunto das características morfológicas do nódulo”.

Serviço:
www.cdb.com.br





Mais Matérias

Veja mais

23/04/2014 - Dor de barriga e febre, o que pode ser?


11/04/2014 - O que é e como tratar a Faringite?


11/04/2014 - Como as cores influenciam no dia-a-dia e na saúde?


03/04/2014 - Como escovar os dentes e o que escolher: escova interdental ou fio dental?


02/04/2014 - Você sabia que aceitar perda auditiva é o primeiro passo para ouvir bem?




Clique aqui e veja todas as matérias

Como você costuma se preparar para o verão?

Fazendo dieta
Com tratamentos estéticos
Começando ou intensificando os exercícios
Não mudo nada minha rotina



:: Resultado Parcial