Novidades
Contracepção contínua melhora sintomas menstruais

Estudo clínico comprova eficácia da pílula de contracepção contínua para o tratamento dos incômodos que atormentam grande parte das mulheres em idade fértil

Um estudo realizado no Brasil demonstrou que o uso contínuo de contraceptivos hormonais (em que a mulher toma o anticoncepcional sem pausa) diminui os sintomas menstruais, como dor de cabeça, inchaço e cólicas. Participaram do estudo 334 usuárias de contraceptivos orais combinados (COCs), com idade média de 28 anos. Dentre elas, 219 afirmaram que apresentavam sintomas menstruais potencializados durante a pausa contraceptiva. Após o uso do contraceptivo etinilestradiol/gestodeno, por 56 dias contínuos, metade das pacientes não apresentou mais cefaléia e inchaços, 75% afirmou não possuir mais dismenorréia (cólicas), 95% não teve mais problemas com menorragia (fluxo intenso), além de apresentar significativa melhora dos demais sintomas.

Publicado recentemente na Revista Brasileira de Medicina, o estudo denominado “Efeitos da associação etinilestradiol/gestodeno em uso contínuo no contorno dos sintomas durante a pausa contraceptiva” foi realizado na Faculdade de Medicina de Jundiaí (SP), utilizando o contraceptivo Gestinol, produzido pela Libbs Farmacêutica. Segundo os autores do estudo, a presença de sintomas no período da pausa contraceptiva tem sido pouco valorizada na prática clínica. “Diante de um efeito colateral, na maior parte das vezes, o médico costuma trocar o contraceptivo. Raramente é indagado o período em esse sintoma ocorre ou tem sua exacerbação. Os resultados do estudo mostraram que, para contornar os sintomas que ocorrem durante a pausa, o uso contínuo de contraceptivos pode ser uma medida simples e eficaz”, informa o texto publicado.

A Dra. Arícia Giribela, médica ginecologista do Hospital das Clínicas, de São Paulo, explica que, tradicionalmente, o uso dos anticoncepcionais se faz com pausas programadas mensais, para que ocorra o sangramento. “No entanto, tem-se questionado a real necessidade dessa pausa durante o uso de contraceptivos orais, principalmente em razão dos sintomas apresentados nesses períodos como náuseas, mastalgia (dor nas mamas), humor depressivo, cefaléia (dor de cabeça), dismenorréia (cólicas), entre outros, que se apresentam com maior intensidade”, completa.

Muitas mulheres, porém, ainda têm dúvidas sobre a interrupção do ciclo menstrual, por considerar a menstruação importante. As justificativas mais comuns entre aquelas que acham necessário o sangramento mensal são: tentar aproximar ao ciclo menstrual natural, "limpar" o organismo dos hormônios, certificar-se de que não engravidou e prevenir o sangramento inesperado. No entanto, segundo o Dr. Hugo Maia, diretor de pesquisas do CEPARH (Centro de Pesquisa e Assistência em Reprodução Humana), em Salvador (BA), nenhuma dessas razões têm comprovação científica. "Por isso o conhecimento sobre a ação hormonal dos contraceptivos é primordial para a mulher decidir se irá suspender a menstruação", declara o médico. Outra dúvida muito freqüente entre as pacientes é se a pílula causa infertilidade. O Dr. Hugo Maia explica que “estudos comprovam que o método anticoncepcional não altera a fertilidade da mulher. A mulher volta a ovular normalmente um a três meses após a interrupção do consumo da pílula”.

Diferentemente da menstruação natural, o sangramento mensal de quem usa a pílula anticoncepcional é resultante da pausa do consumo do medicamento e não da flutuação hormonal que ocorre no ciclo menstrual natural. A usuária de pílula recebe diariamente a mesma quantidade de hormônio que impede a ovulação e, por conseqüência inibe a proliferação do endométrio (parede interna do útero). Quando a mulher pára de tomar a pílula, ocorre um pequeno sangramento proveniente da descamação do endométrio, mas que não pode ser considerado menstruação, pois não houve ovulação nem preparação do útero para receber o óvulo fecundado. Com isso, o sangramento é bem menor, porém, para algumas mulheres, com os mesmos efeitos colaterais de uma menstruação natural.

O uso contínuo do Gestinol também se mostrou eficaz no tratamento da endometriose, doença progressiva que afeta de 5% a 10% das mulheres. Um estudo publicado na revista científica European Journal of Contraception & Reproductive Health Care mostrou que o uso contínuo da associação etinilestradiol/gestodeno (princípios ativos do Gestinol) por dois anos impede a recorrência dos cistos endometrióticos quando o tratamento for iniciado logo após o procedimento cirúrgico. No caso de miomas uterinos, o contraceptivo impede seu crescimento, reduz sangramentos e melhora consideravelmente o quadro de anemia se utilizado por dois anos.

Veja mais sobre o assunto em nossa coluna de Saúde Feminina com Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão




Veja mais

Nova seringa para aplicação de produtos que melhoram a estética facial!

Pesquisa aponta: trabalhador cada vez mais estressado

Seja um doador de órgãos!

Como guardar edredons e lavar tapetes após o inverno?

Risotos Prontos Integrais



Clique aqui e veja todas as matérias

Encontre os melhores preços de medicamentos e leia bulas